Eleições na Argentina: como uma possível vitória de Javier Milei pode afetar a relação do país com o Brasil

  

Tomas Cuesta/Getty Images



Especialista comenta preocupação do governo brasileiro com a eleição argentina, mas avalia que uma ruptura total entre os dois países é pouco provável


Os argentinos vão às urnas no próximo domingo (22/10) para o primeiro turno das eleições presidenciais. Em momento de grande crise socioeconômica no país, as eleições têm três protagonistas com características distintas: o candidato de extrema direita Javier Milei, a ex-ministra da Segurança Patricia Bullrich e o atual ministro da Economia Sergio Massa.


Duas de três pesquisas eleitorais realizadas recentemente mostram Milei à frente. Outro levantamento aponta Sergio Massa na liderança neste primeiro turno.


Preocupação do governo brasileiro


A possível vitória de Javier Milei, seja no primeiro turno ou em um eventual segundo turno, preocupa o governo brasileiro devido às medidas polêmicas e às declarações do presidenciável contra governos de esquerda. O candidato defende pautas como a dolarização da economia argentina e o fechamento do Banco Central. 


“A grande preocupação é porque o Brasil e a Argentina são os maiores parceiros comerciais do continente Latino-Americano e a dolarização da economia traria um impacto direto nessas relações externas e comerciais entre os países”, comenta Volgane Carvalho, coordenador acadêmico da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), mestre em direito e doutorando em políticas públicas.


Volgane Carvalho


Volgane é um dos palestrantes da programação acadêmica da Missão de Observação Eleitoral que acompanhará as eleições argentinas do próximo domingo. Ele acrescenta que a própria questão da extinção do Banco Central argentino e a sua vinculação ao Banco Central dos Estados Unidos seria outro fator que implicaria nessas relações econômicas.


Apesar disso, o especialista avalia que uma ruptura total entre Brasil e Argentina é pouco provável. “Não deve haver essa alteração tão grande, porque as relações agora estão sendo guiadas pelos princípios diplomáticos, que não priorizam exatamente a ideologia partidária do governante”, analisa Volgane.


O especialista ainda considera que o candidato de extrema direita não tem um plano econômico bem desenhado e claro. Assim, pode acabar não cumprindo tudo que tem falado na campanha.


“Milei parece não ter medidas imediatas que possam contribuir para reorganizar a economia argentina. Ele tem algumas promessas de impacto, que talvez não sejam factíveis, como a dolarização da economia e a extinção do Banco Central”, diz.


Como funciona a eleição na Argentina


As eleições presidenciais na Argentina são realizadas de quatro em quatro anos.


Para vencer em primeiro turno, o candidato à presidência precisa receber 45% dos votos válidos ou 40% com pelo menos 10 pontos percentuais de vantagem sobre o segundo colocado. Caso ninguém atinja essa marca, haverá um segundo turno, que está previsto para ser realizado em 19 de novembro de 2023.

 

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos