Rede Soja Sustentável nasce para aproximar o Rural e o Urbano do Brasil

Imagem: divulgação


Evento de lançamento será realizado no próximo dia 15 de abril, com o seminário "Comunicar é Negociar Fora da Bolha", evento que destacará as diversas possibilidades de aplicações sustentáveis da soja

 

Com o principal objetivo de construir uma ponte entre o potencial econômico, social e ambiental do Agro Tropical tecnológico e os anseios do público urbano global, que demandam um alimento mais saudável, inclusivo e sustentável, priorizando o enfrentamento das mudanças climáticas, surge a Rede Soja Sustentável. “Nós já temos as condições tecnológicas, a capacidade empresarial e de gestão que podem fazer do Brasil o líder da Bioeconomia Tropical global”, afirma o Presidente da Rede Soja, o empresário Cesar Borges de Sousa, ressaltando a importância de um ambiente de diálogo e de construção colaborativa de uma nova agenda de esperança para o Brasil, referenciada em Ciência, eficiência e inclusão social, conclui.

A Rede Soja e o Instituto Fórum do Futuro (parceiros da iniciativa), já conseguiram reunir para debater e elaborar uma visão de médio e longo prazos o Banco Mundial, a FAO, a Embrapa, a USP, a Universidade de Lavras, e a representação dos empresários e dos produtores, estes através da Aprosoja-MT. Todos estarão presentes no evento de lançamento da Rede Soja Sustentável, no próximo dia 15 de abril, quando será dado o primeiro passo concreto para a aproximação entre as perspectivas do Rural e do Urbano através do diálogo, com o seminário Comunicar é Negociar Fora da Bolha.

Realizado no Espaço Cubo Itaú, localizado na Alameda Vicente Pinzon, 54, Vila Olímpia, em São Paulo, o seminário reunirá especialistas, representantes do setor e empresas líderes, como a Caramuru, EDB Polióis Vegetais, e representantes do terceiro setor. “Vamos dar especial atenção aos jovens, que já representam 40% do mercado e mais do que isso são os donos do futuro”, diz Cesar Borges. Na sua visão, sem um diálogo transgeracional, o Brasil terá dificuldades de pactuar uma estratégia para inserção de seus produtos na nova configuração geopolítica e comunicacional do mundo atual.

"Queremos mostrar à sociedade a enorme versatilidade da soja, seu fabuloso potencial de novas e promissoras aplicações e suas características, totalmente adequadas às práticas ambientais, sociais e de governança da chamada ESG", diz César Borges.

 

A soja é transformada em mais de mil produtos que chegam aos consumidores urbanos sob a forma de alimentos diversos: remédios, cosméticos. biocombustíveis e até da construção civil – já são comercializadas casas erguidas com placas feitas a partir do óleo de soja. De outro, prevalece no olhar urbano uma percepção crítica com relação a agenda socioambiental do setor soja no País.

O Seminário vai debater alguns dos aspectos mais sensíveis e ignorados quando se trata de discutir políticas públicas e privadas envolvendo a Bioeconomia no Brasil:

- Sem organização das cadeias produtivas referenciada pela visão científica é virtualmente impossível realizar o desenvolvimento sustentável – por exemplo, a Amazônia, que abriga 28 milhões de pessoas, exige um modelo de geração de emprego e de renda dignos, assegurando ao mesmo tempo a sustentabilidade do processo;

- O grande potencial de novos empregos sustentáveis encontra-se na industrialização e nos serviços envolvendo os produtos de base biológica. É o casamento entre o Agro e o Industrial patrocinado pela orientação científica.

 

“E, em seu conjunto e valor agregado, esse segmento tem a capacidade de acionar um novo ciclo de crescimento virtuoso da economia brasileira”, explica o diretor-executivo do Instituto Fórum do Futuro e especialista em comunicação estratégica, Fernando de Barros.

 

As ‘casas de soja” prometem revolucionar a indústria da construção civil. Além de suas propriedades térmicas (temperatura interna inferior em 7 graus no comparativo com a construção convencional), esses painéis apresentam características de isolamento acústico, e reduzem drasticamente as perdas na construção civil, que hoje chegam a 30 a 40%.

 

A eficácia desses painéis na redução de resíduos e emissões de CO2 foi reconhecida com o Prêmio Colmeia Bayer, conferido em parceria com a multinacional alemã e o Parque de Inovação Tecnológica São José dos Campos. "Essa premiação confirma o sucesso do projeto de utilização do poliol na construção civil, em duas frentes: primeiro, ao efetivar a redução de resíduos, fomentando a economia circular; e em segundo lugar, por propiciar a diminuição da emissão de CO2 em processos produtivos”, destaca Ana Paula Preto Rodrigues, consultora da EDB e CEO da Agrogreen Arquitetura e Urbanismo Ltda.

 

O seminário será aberto ao público e oferecerá uma oportunidade única para compartilhar conhecimentos, promover o diálogo e inspirar novas ações que impulsionem o desenvolvimento sustentável do setor.

 

SERVIÇO DO EVENTO

Data: 15/04

Local: Cubo Itaú

Endereço: Alameda Vicente Pinzon, 54 - Vila Olímpia, São Paulo - SP

Horário: 9h às 17h

 

Inscrições: Podem ser confirmadas antecipadamente, através do e-mail

contato@institutoforumdofuturo.com

 

Link Transmissão:

 https://www.youtube.com/live/eROeoJpMHvc?si=GWF5N3XDKRGQ2DKm


Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem
Bio Caldo - Quit Alimentos